Notícia

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Instituto de Tecnologia em Informática e Informação do Estado de Alagoas
Quarta, 24 Julho 2019 17:45
MUNDIAL

Programador quer representar Alagoas em mundial de triathlon na Suíça

Igor Bernardes é servidor do Governo de Alagoas e foi selecionado no campeonato brasileiro entre atletas de todo o país

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
No currículo, o campeão tem competições brasileiras e internacionais, como em Oklahoma (EUA) e Roterdã (Holanda) No currículo, o campeão tem competições brasileiras e internacionais, como em Oklahoma (EUA) e Roterdã (Holanda) Arquivo Pessoal
Texto de Isaac Moraes

O triatleta alagoano Igor Bernardes, 26 anos, engenheiro mecatrônico especializado em desenvolvimento de software, quebra o estereótipo do nerd sedentário. Com trajetória sólida no evento triathlon, modalidade que abrange natação, ciclismo e corrida, Igor busca auxílio para representar Alagoas e o Brasil no campeonato mundial na cidade de Lausanne, Suíça.

“Meu pai foi atleta e árbitro de handebol e minha mãe, ginasta, então eu sempre fui incentivado a praticar esportes. Comecei no futsal, depois handebol e somente aos 21 anos, por incentivo do pai e do irmão de uma então namorada na época, foi que comecei no triathlon. Primeiro, apenas pela competição, sem me preocupar com tempo, depois tomei gosto e comecei a competir de maneira mais séria, controlando o tempo e a aprimorando a performance” explica Igor.

“Mudei completamente minha vida pelo triathlon. Acordo todos os dias às 3h50, saio para o primeiro ciclo de treinos às 4h30, volto para casa, saio para trabalhar, trabalho das 8h até às 17 horas e saio para nadar, depois retorno pra casa e tudo recomeça. Essa é minha rotina” completa.

05

Após participar de provas preparatórias, que lhe fizeram passar de entusiasta para competidor sério, Igor competiu no Challenger, prova internacional que veio para Maceió em 2016 e onde o alagoano encarou 1.9 km de natação, 90 km de bike e 21 km de corrida e não parou mais. Daí sucedeu-se uma série de competições, brasileiras e internacionais, como em Oklahoma (EUA) e Roterdã (Holanda).

“Em Oklahoma, pegamos ventos fortes, que derrubavam as pessoas das bicicletas e era difícil ter performance, inclusive porque era pedido o dobro do que eu havia treinado, mas ainda assim tive uma boa colocação na minha categoria. Em Roterdã, o problema foi o frio, tive hipotermia, a água da piscina tava no limite tolerável permitido pelas normas para competição. Foi uma competição difícil, mas a troca de experiências com atletas do mundo todo às vezes vale mais do que horas de treino”, frisa o triatleta.

Com tantas vitórias e batalhas vencidas, Igor agora se prepara para mais uma, decisiva: conseguir recursos para ir representar Alagoas e o Brasil no mundial na Suiça, que começa em 1º de setembro.

11

“Estamos tentando junto á Secretaria do Esporte, Lazer e Juventude de Alagoas (Selaj) ao menos as passagens, como quando fui para Oklahoma. Quando vamos para os mundiais, vamos pela seleção brasileira, mas eles não dão apoio para amadores, apenas profissionais. Eu recebo um bolsa atleta estadual de um salário mínimo e com ela custeio acessórios de tênis a roupas, pago treinador, deslocamento para os locais de treinos, as viagens para competições que me permitem somar pontos e ser classificado, suplementação, e nem sempre a bolsa dá pra tudo isso” Informa Igor.

“É uma viagem muito cara, a ideia é viajar no dia 21 de agosto, para poder treinar lá, me ambientar com o clima e pegar resistência. Estamos tentando de todas as formas, inclusive com vaquinha virtual para amigos, familiares e simpatizantes para custear minha estadia e alimentação. Quero muito trazer mais esse título para o nosso estado e para o Brasil, muito orgulho em representa-los para o restante do mundo” finaliza o triatleta.

Quem também quiser contribuir para que esse guerreiro alagoano vá representar nosso estado e o nosso país no campeonato mundial, pode fazê-lo por intermédio da vakinha virtual no link: http://vaka.me/504111.