Notícia

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Instituto de Tecnologia em Informática e Informação do Estado de Alagoas
Sexta, 13 Dezembro 2019 12:10
CIBERSEGURANÇA

Itec reforça sistema de firewall do data center estadual

Além de mais proteção, medidas estão em consonância com a Lei Geral de Proteção de Dados

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Os investimentos do Instituto estão sendo voltados também para treinamentos, reciclagem de profissionais e aplicação de novas metodologias Os investimentos do Instituto estão sendo voltados também para treinamentos, reciclagem de profissionais e aplicação de novas metodologias Ascom Itec
Texto de Isaac Moraes

Aumento de capacidade e reforço na defesa contra ataques cibernéticos estão entre as benesses advindas da reestruturação do sistema de segurança do data center estadual, realizada pela gerência de operações do Instituto de Tecnologia em Informática e Informação (Itec). Ação já está em consonância não apenas com o Marco Civil da Internet, mas também com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que tem sua previsão para entrar obrigatoriamente em vigor a partir de agosto de 2020.

“Hoje o nosso bem mais precioso, tecnicamente e juridicamente falando, são os dados que os equipamentos contêm. O que estamos fazendo é nos adequar à LGPD, isso resulta na melhor qualidade de serviço aos nossos usuários, o que engloba desde as secretarias à sociedade alagoana por completo” explicou Álvaro Oliveira, gerente de operações do Itec.

Os investimentos do Instituto estão sendo voltados também para treinamentos, reciclagem de profissionais, aplicação de novas metodologias técnicas de SD-WAN, mitigação de processos, reestruturação e redesenho de redes, ou seja, um conjunto de melhorias.

“Um dos projetos que também está sendo encaminhado é a implantação do IPV6, tecnologia bem utilizada no mercado mundial e o Itec já está com o seu projeto consolidado. Após essa reestruturação de firewall, rede e toda essa parte de segurança da informação, vamos começar a implementação dessa nova tecnologia de comunicação entre redes”, finalizou o gerente.

O Instituto conta também hoje com uma tecnologia israelense capaz de fazer análises por intermédio de uma inteligência artificial própria, realizando uma autoaprendizagem do que está rodando de informação dentro da rede, apontando vulnerabilidades e como resolvê-las.