Notícia

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Instituto de Tecnologia em Informática e Informação do Estado de Alagoas
Segunda, 02 Abril 2018 13:11
Senhor do Tempo

Há mais de meio século, alagoano mantém viva a técnica de consertar relógios

Edvan Oliveira trabalha há 57 anos como relojoeiro e é especialista em montagem e desmontagem dessas 'máquinas do tempo'

A pequena loja no Beco São José esconde muitas histórias A pequena loja no Beco São José esconde muitas histórias ASCOM ITEC
Texto de Redação com Isaac Moraes - Itec

O filósofo Pierry Levy escreveu que as técnicas condicionam a cultura e a sociedade. A palavra vem do grego téchne, que significa o ofício dos artesãos ou das artes em geral. Arte é o que podemos observar na precisão, destreza e amor ao ofício de várias pessoas que detém antigas técnicas de trabalho e saberes especiais, numa sociedade tão massificada e obcecada por rapidez e produção em escala industrial. É o caso do Senhor Edvan Oliveira Copertino, que há 57 anos conserta, monta de desmonta relógios no Beco São José, no Centro de Maceió.

Alagoano da gema, como ele mesmo se intitula, Edvan nasceu em Maceió há 79 anos e desde os 24 se dedica ao ofício de relojoeiro tradicional. Ao observar de fora o cômodo pequeno onde ele trabalha, têm-se a sensação de que a sala pode passar despercebida durante o cotidiano frenético do Centro e a presença do ponto de táxi em frente. Quando se entra na loja, apesar dos mais de mil relógios de pulso, de parede e despertador, digital ou analógico, que se espalham por toda a parte, a impressão que se tem é de que o tempo parou de fato.

"Eu tinha um irmão que também era relojoeiro e uma vez me perguntou: você quer aprender o ofício? Eu disse quero, é uma profissão. Ele me emprestou as suas apostilas e eu comecei a estudar, todo sábado eu ia para a casa dele. Depois, fiz um curso por correspondência no Rio de Janeiro, onde montava o relógio com as peças, tirava as fotos, mandava novamente, até que depois de três, quatro meses, comecei a trabalhar. É através dessa profissão que eu vivo até hoje, graças ao meu bom Deus", diz seu Edvan.

Leia a matéria exclusiva completa na Gazetaweb

https://glo.bo/2E7bp9l